Temos Uma Pergunta Para Ti… O Que Te Faz Feliz?

Temos uma pergunta para ti… o que te faz feliz? Felicidade significa coisas diferentes para pessoas diferentes, então é interessante ver o que faz flutuar os barcos de cada pessoa, mesmo que isso não pareça muito com o que a felicidade significa para ti.

A página do Facebook chamada “The Happy Page” convidou todos os seus fãs para compartilhar o significado da felicidade e com as respostas fizeram estas ilustrações.

Podes ter deixado passar estas pequenas gotas de alegria na tua vida mas são realmente poderosas. Lembra-nos que a felicidade pode ser tão simples como uma boa comida ou ler um bom livro. Não precisamos de muito na vida quando somos gratos e apreciamos as coisas simples como um tesouro!

FELICIDADE É… sentar sossegado a sentir o ar na pele

Temos Uma Pergunta Para Ti... O Que Te Faz Feliz

FELICIDADE É… adormecer no sofá a ler um excelente livro

Temos Uma Pergunta Para Ti... O Que Te Faz Feliz (4)

FELICIDADE É… ter amigos que são “idiotas”

Temos Uma Pergunta Para Ti... O Que Te Faz Feliz (3)

FELICIDADE É… ganhar uma prenda que adoras

Temos Uma Pergunta Para Ti... O Que Te Faz Feliz (2)

 

FELICIDADE É… procurar lugares para as próximas fériasTemos Uma Pergunta Para Ti... O Que Te Faz Feliz (5)

FELICIDADE É… parar para lanchar durante uma caminhada

Temos Uma Pergunta Para Ti... O Que Te Faz Feliz (6)

FELICIDADE É… decidir não dizer coisas negativas

Temos Uma Pergunta Para Ti... O Que Te Faz Feliz (7)

FELICIDADE É… partilhar boas notícias com alguém mesmo estando a quilómetros de distância

Temos Uma Pergunta Para Ti... O Que Te Faz Feliz (10)

FELICIDADE É… passar tempo ao ar livre

Temos Uma Pergunta Para Ti... O Que Te Faz Feliz (9)

FELICIDADE É… a voz dos teus pais quando estás a quilómetros de distância

Temos Uma Pergunta Para Ti... O Que Te Faz Feliz (8)

FELICIDADE É… ter um animal de estimação

Temos Uma Pergunta Para Ti... O Que Te Faz Feliz (11)

FELICIDADE É… quando a realidade é melhor que as expectativas

Temos Uma Pergunta Para Ti... O Que Te Faz Feliz (12)

FELICIDADE É… recarregar

Temos Uma Pergunta Para Ti... O Que Te Faz Feliz (13)

FELICIDADE É… não te importares com o que as pessoas pensam de ti

Temos Uma Pergunta Para Ti... O Que Te Faz Feliz (15)

FELICIDADE É…ver a chuva

Temos Uma Pergunta Para Ti... O Que Te Faz Feliz (14)


E para ti? O que é felicidade? 🙂

 

Mulher Vê Homem A Chorar Ao Deitar Uma Prenda Ao Lixo, No Aeroporto E O Que Descobre Parte-lhe O Coração

Era exatamente isso que Bill e Linda Modry aguardavam ansiosamente quando estavam de visita à sua neta recém-adotada. Eles ficaram muito felizes por finalmente poderem receber a menina na família e tinham um presente especial para ajudá-la a lembrar-se do momento para sempre.

Infelizmente, quando chegaram ao portão de segurança no aeroporto, foram forçados a deitar o presente no lixo.

Amarri Hernandez e seu namorado estavam no Aeroporto Internacional St. Pete-Clearwater quando viram o incidente acontecer.

“Eu testemunhei quando disseram ao homem que não podia levar o presente no avião”, escreve Amarri num post no Facebook. “O senhor olhou para o policia e disse: ‘Eu posso deixar no aeroporto nos perdidos e achados. É um globo de neve para a minha neta adotiva. ‘”

Mas, infelizmente, o oficial não foi favorável ao pedido do homem.

“O policia respondeu ‘Coloque no arquivo 13’ e apontou para a caixa de lixo”, escreve Amarri no Facebook. “O homem ficou magoado e deixou a prenda no lixo.”

Quando Amarri viu o homem a afastar-se da caixa de lixo com as lágrimas nos olhos, isso tocou o seu coração. O seu namorado decidiu ir ao lixo e pegar o pacote. Quando eles abriram o pacote, descobriram algo que tocou os seus corações. O presente era um globo de neve contendo fotos do casal e da menina. Tinha uma mensagem gravada: Nós amamos-te Katie, Vovó e Vovô 25/01/16.

Amarri ficou desesperado para devolver o presente precioso aos seus legítimos donos, e postou uma mensagem no Facebook para tentar devolver a prenda ao casal.

https://www.facebook.com/plugins/post.php?href=https%3A%2F%2Fwww.facebook.com%2FiveliseTakenHernandez%2Fposts%2F1237422129618929&width=500

O post tornou-se viral e foi compartilhado mais de 50 mil vezes. Por sorte, chamou a atenção de uma pessoa em particular. Um funcionário da “Things Remembered”, a empresa que fez o globo de neve personalizado, viu o post de Amarri e entrou em contato.

A funcionária pesquisou os registos da empresa até encontrar o nome da pessoa que encomendou o globo de neve. Era Linda Modry e Amarri pôde contactá-la e devolver o pacote a ela. Foi só então que ela percebeu o quanto o pacote era especial.

“Ela é incrível”, disse Linda de Amarri. “As pessoas são muito boas, e ela é simplesmente excepcional”.

Assiste à reunião emocional no video abaixo:

 

 

Nasceu Sem Pernas E Tornou-se Modelo De Lingerie, Uma Verdadeira Inspiração

Histórias positivas e inspiradoras vêm de qualquer lugar e estão em qualquer lado. Kanya Kesser é uma dessas histórias incríveis de verdadeira inspiração.

Nasceu na Tailândia e foi para os EUA quando tinha cinco anos de idade. Abandonada pelos pais num templo budista, com apenas uma semana de vida, foi criados em orfanatos até essa idade, quando foi adoptada por uma família americana.

A atriz de 26 anos ganha a vida a vida como modelo de lingerie e não apenas redefiniu o que é sexy – mas destruiu ideais de beleza convencionais.

Não bastando, Kanya Kesser é ainda atleta competindo em vários desportos como o skate e o surf.

Apesar de sofrer bullying online, Kanya diz que não se deixa afetar.

“Não dês ouvidos ao que as pessoas dizem sobre ti, porque tu és a única pessoa que pode decidir sobre a tua vida. Decide o que queres fazer e nunca desistas.”

Confere a sua entrevista inspiradora abaixo.

Heineken The Candidate – A Entrevista De Emprego Mais Emocionante Que Alguma Vez Vais Ver!

Para recrutar um estagiário para a sua equipe de patrocínio e eventos, a Heineken descartou o livro de regras das entrevistas depois de se perguntar: se todas as entrevistas são as mesmas, com perguntas semelhantes provocando respostas familiares, como encontrar o talento certo? Em vez disso, colocou os candidatos numa série de situações inesperadas.

Mais de 1.700 pessoas candidataram-se ao lugar, que envolvia o seguimento do Troféu da Liga dos Campeões da UEFA enquanto este viajava pelo mundo, com oportunidades para conhecer os heróis do futebol.

Heineken The Candidate - A Entrevista De Emprego Mais Emocionante Que Alguma Vez Vais Ver2

Os candidatos selecionados foram convidados a Amsterdão para o processo de entrevistas. As entrevistas ocorreram em três etapas: o pontapé inicial, onde o chefe levou o entrevistado para a sala de reunião de mãos dadas o caminho todo; assistência médica, que envolvia ajudar o chefe quando ele “apagava” durante a reunião; e broca de incêndio, onde os bombeiros pedem ajuda para resgatar um funcionário da Heineken do telhado depois de um “alerta de incêndio”.

As respostas dos candidatos determinaram quem tinha as habilidades necessárias para trabalhar no departamento de marketing da Heineken.

Heineken The Candidate - A Entrevista De Emprego Mais Emocionante Que Alguma Vez Vais Ver

A entrevista inteira foi filmada pela Heineken, o que resultou em “The Candidate”, um filme de bastidores que foi lançado pela equipe de marketing da marca através de um portal interno para que eles pudessem votar no entrevistado favorito das três melhores entrevistas.

O candidato mais votado foi levado ao estádio da Juventus para um “teste final” durante a cerimónia de pré-jogo. Telas gigantes mostraram o processo de entrevista e, em seguida, anunciaram que o vencedor, Guy Luchting, conseguiu o emprego. Ele agora tem uma colocação na sede da Heineken em Amsterdão.

“Eu realmente não sabia o que estava a acontecer na entrevista de emprego. Primeiro, eles pegam na minha mão e eu penso: “Ei, isso é amistoso”, então o homem cai no chão e a seguir eu estou fora do edifício, durante um alarme de incêndio, a ajudar alguém a saltar do telhado. Foi uma loucura. Estou contente por ter mostrado o suficiente para a Heineken me dar este trabalho dentro do patrocínio da Liga dos Campeões da UEFA; é realmente o meu emprego dos sonhos. ” disse Guy.

Eis “The Candidate”, vê, emociona-te e partilha! 🙂

 

 

Depois De Acenar Adeus À Mãe, Bebé De 1 Ano É Atacado Pela Babysitter

Apenas 1 minuto depois de sair o aconchego da sua mãe, esta criança de pouco mais de um ano, foi atacado pela ama, por estar a chorar continuamente. Quanto mais ele chorava, mais esta mulher cruel o espancava.

ATENÇÃO: Imagens impressionantes de partir o coração!

Uma ama foi apanhada a agredir violentamente uma criança de pouco mais de 1 ano, momentos depois de a mãe da criança a ter entregue à mulher.
O bebé não queria deixar a sua mãe e o vídeo abusivo parece explicar o porquê.
A criança não parava de chorar e a ama começa a agredi-lo violentamente na tentativa de deter o choro do bebé.
As imagens foram tiradas do vídeo de segurança do elevador de um edifício na cidade de Zhengzhou, capital da província de Henan, na China Central.
De acordo com a polícia local, as cenas foram vistas pelo guarda de segurança do prédio, que mostrou as imagens à mãe.

 

Todos Nós Somos Péssimos a Lidar Com o Suicídio

Saber da morte de alguém que conhecemos, é sempre um choque mas quando sabemos que se tratou de suicídio, a situação toma outros contornos. Foi o que  aconteceu comigo hoje.

Não consigo parar de pensar no porquê, como, no quanto este acto é egoísta por todas as pessoas que estão a sofrer, até que ponto foi premeditado e, principalmente, em como ela parecia uma pessoa feliz…

Fui à procura de explicação, li alguns artigos na internet, principalmente porque não quero julgar sobre aquilo que não sei, do qual não tenho nenhuma experiência própria (embora já tenha sofrido de depressão, nunca o suicídio me passou pela cabeça), e encontrei este artigo de Mike Monteiro, que me parece responder a algumas destas dúvidas.

“O que escrevo a seguir são os meus pensamentos pessoais sobre depressão e suicídio. Eu não sou médico, psiquiatra ou profissional de saúde mental. Eu sou uma pessoa que vive com depressão e luta para permanecer vivo todos os dias. Os meus pensamentos sobre depressão são pessoais e ajudam-me. Talvez isso te ajude a perceber como uma pessoa lida com isso. Mas lembra-te, por favor, que todo o cérebro despedaçado está danificado à sua maneira.

O que eu quero falar hoje é sobre como lidamos com o suicídio. E vai ser algo pessoal, porque é a única maneira de falar sobre isso com alguma autoridade.

Se o suicídio é um pecado, Deus é um idiota

Quando criança, disseram-me que o suicídio era pecado. Foi-me dito isso por homens cujos próprios cérebros despedaçados lhes disseram que era aceitável enganar jovens que os ajudaram a dizer missa. E se eu ainda fosse católico, eu ainda estaria pensando no suicídio como um pecado, embora um pecado do criador. Eu questionaria um Deus que fabricava produtos defeituosos e culpava o “cliente” quando o produto danificava. Isso é pecado. Confia em mim, não é fácil crescer ouvindo dizer que Deus te ama, que te deu um cérebro danificado e, se não consegues lidar com ele, a culpa é tua e vais para o inferno. E ouvir isso de uma figura de autoridade cuja respiração fede a infância de seus colegas de classe é particularmente fodido.

Se tu és devoto a Deus, por favor, acredita que não tenho nenhuma intenção de fazer com que te sintas incomodado com Deus. Tu tens o teu apoio onde podes encontrá-lo e a ti também. Eu tenho que acreditar que se Deus fosse real, ele não seria um idiota total, e eu sempre me pergunto por que as religiões sentem a necessidade de pintar os seus objetos de devoção como pais de merda.

Então, não, suicídio não é pecado. Mas culpar as pessoas por perderem uma batalha com a doença mental pode ser.

Quando ouves que as pessoas “lutam contra a depressão”, quero que saibas que a luta é a palavra mais real nessa frase.

Suicídio não é egoísta

Todos Nós Somos Péssimos a Lidar Com o Suicídio2
Como adulto, tive que lidar com o suicídio de mais de um membro da família. As suas histórias são deles e o objetivo deste artigo não é refazê-las, sensacionalizá-las, tentar entendê-las ou reabrir as feridas daqueles que ainda lidam com a perda. Mas depois de quase todos esses suicídios, e depois de cada suicídio que faz as notícias e é discutido nas médias sociais, alguém vai proferir uma versão de “que coisa egoísta de se fazer” ou “por que eles não pensaram na sua família”? ou “eles tinham tudo a seu favor”. E, embora eu não seja ninguém para dizer como as pessoas devem fazer o seu luto, vamos deixar uma coisa bem clara:

Suicídio não é algo que se faz com as outras pessoas.

Suicídio nem é algo que se faz para si mesmo.

Suicídio é algo que o cérebro despedaçado faz com a pessoa.

Eu lutei com a depressão a minha vida inteira. O meu cérebro está despedaçado. Ele mente para mim. É um órgão hostil no meu corpo. Eu não posso viver sem o meu cérebro, mas também é muito difícil viver com ele. Ele faz-me acreditar em coisas que não são verdadeiras. Escava através da minha psique, à qual ele tem acesso total, e extrai os meus medos mais profundos e mostra-mos todas as manhãs. E até agora, até agora … eu consegui vencer essa batalha diária. Alguns dias eu saio um pouco mais sangrento do que os outros. Mas houve alguns dias em que tive a sorte de chegar ao dia seguinte. Por sorte.

Quando ouves que as pessoas “lutam contra a depressão”, quero que saibas que a luta é a palavra mais real nessa frase. Todo dia pode ser uma batalha. E todos os dias essa luta começa de novo. Alguém que tem que acordar e lutar 365 dias por ano não é egoísta, está exausto.

E tudo o que é preciso é um deslize. Às vezes o teu cérebro conta-te uma mentira realmente boa. Às vezes o que está a acontecer no mundo exterior agrava o que está acontecendo dentro da tua cabeça. Às vezes, o teu cérebro usa essa informação a seu favor, para que pares de assistir às notícias para que o teu cérebro não tenha munição para usar contra ti. Às vezes o teu cérebro, e este é especialmente fodido, convence-te que estás a ir tão bem que até podes deixar de tomar a medicação!

Suicídio não é desistir, não é um ato egoísta. É perder uma batalha terrível com a tua própria mente. Mas, por favor, respeita essa pessoa que lutou todos os dias. Todos os dia.

A saúde mental é um direito humano

Há cerca de dez anos atrás eu fiz um compromisso com a terapia. Durante cinco desses anos eu fui todas as semana, e depois de eu estar “fora de perigo” reduzimos para todos os quinze dias. Há alguns anos a minha terapeuta saiu da cidade. Ela e eu fizemos um acordo que, se eu estivesse com problemas, ligaria. Alguns meses atrás eu liguei. Senti os sinais de alerta da depressão descendo a estrada. Esta é uma habilidade que eu não teria sem terapia.

Aqui está uma coisa sobre terapia: não me curou. Não consertou o meu cérebro. Não fez o meu cérebro parar de me mentir. Mas lentamente, ao longo do tempo e com um pouco de medicação, deu-me as ferramentas para descartar as mentiras. E deu-me as ferramentas para ver quando estava montando uma ofensiva. Todos nós devemos ter acesso a essas ferramentas e às pessoas que nos ajudam a construí-las.

Eu sou um idiota privilegiado que tem acesso a terapia e medicação. Muitas pessoas não. A depressão afeta as pessoas, independentemente de quanto dinheiro têm. Não se pode comprar o caminho para a felicidade, mas pode-se comprar o caminho para o tratamento. Caminha por qualquer grande cidade dos Estados Unidos e verás centenas de pessoas a lutar com problemas de saúde mental que não têm acesso aos cuidados e serviços de que precisam. (Não é um problema de sem-abrigo. É um problema de compaixão.)

A saúde mental é um direito humano.

Além disso, eu tive sorte, ou esperteza, ou o que quer que fosse, o suficiente para me afastar do estigma com o qual eu cresci em torno da depressão de ser um pecado ou uma fraqueza. Não podes querer curar a depressão de forma mágica da mesma forma que não podes escolher tratar um braço partido de forma mágica. Ambos precisam de cuidado profissional. Eu tinha 40 anos antes de fazer essa consulta de terapia. Porque eu cresci com vergonha. Eu cresci sendo dito que a minha doença mental era uma falha de caráter. Uma fraqueza. “Caramba!” Em março passado, Kevin Love, jogador da NBA, publicou uma matéria sobre a sua própria doença mental, e eu adoro o fato de ele ter feito isso, e é importante que ele tenha feito isso, porque ajuda a superar essa ideia de machão.

Aprendes o que é preciso para “ser um homem”. É como um manual: Sê forte. Não fales sobre os teus sentimentos. Passa por isso sozinho. – Kevin Love

Lidar com a saúde mental é um sinal de força. Não deixes ninguém dizer o contrário.

Ninguém comete suicídio

As pessoas que eu conheço que decidiram acabar com a vida não cometeram suicídio. Eles perderam uma batalha com os seus hostis cérebros danificados. Compromisso implica uma escolha. Comprometes-te com uma dieta saudável, comprometes-te a andar mais de bicicleta, comprometes-te a dar uma chance ao padre John Misty. E obviamente, podes, se preferires, cometer assassinato.

Mas todos nós podemos concordar que é estranho olhar para uma vítima de assassinato e dizer que eles cometeram a morte.

Depressão é o teu cérebro partido a matar-te a ti. A pessoa cuja vida acabou é tão responsável por esse assassinato quanto qualquer outra vítima de assassinato. Eles não cometeram nada. Eles foram mortos.

A atual nomenclatura preferida entre os profissionais de saúde mental é usar o suicídio como verbo, como “Bob suicidou-se”, em vez de “Bob cometeu suicídio”. A sociedade como um todo continuará a dizer desta última forma por um tempo. A mudança leva tempo. Por melhor que essa mudança seja, eu acho que ainda não foi longe o suficiente. “Bob suicidou-se” ainda implica que Bob tomou uma decisão, quando na realidade Bob foi vítima de várias coisas: um cérebro quebrado, sistemas de crenças que perpetuam a culpa da vítima, uma sociedade que estigmatiza a doença mental e sistemas de assistência médica que não dão às pessoas o acesso ao tratamento necessário para combater a doença com que nasceram.

Ninguém comete suicídio. Mas nós, como sociedade, somos cúmplices em não levar as pessoas à ajuda de que precisam. Nós precisamos ser melhores. Como Mister Rogers nos ensinou: “Procura quem te ajude”. Mas algumas dessas pessoas estão procurando por ajudantes e não as encontram.

Lembra-te, não sei do que estou a falar, e a merda que funciona para mim pode não funcionar para ti. Se estás deprimido, não tenho ideia de como ajudar-te, mas há seres humanos magníficos que podem. Liga para a linha direta de prevenção ao suicídio.”

Neste link encontras as Linhas para a prevenção do suicídio ao redor do mundo.

Em Portugal


Que achas deste artigo? Deixa-nos o teu comentário e partilha com os teus amigos ❤

 

Por Que As Pessoas Alugam Homens De Meia Idade No Japão?

“Você aprende vendo através dos olhos das outras pessoas.” 

“As pessoas vivem muito a sério e isso reduz a sua visão.” 

Esses pensamentos não foram gerados por um algoritmo ou crowdsource no Twitter. São a sabedoria acumulada de um homem de meia-idade no Japão.

Um homem de meia idade que está disponível para alugar.

Vestindo uma camisa com uma estampa de urso panda em miniatura e sorrindo inescrutavelmente, Ken Sasaki, de 48 anos, tem uma vibe que é tudo menos a de um homem de meia-idade descontente de Tóquio.

Com cabelos grisalhos, linhas visíveis no rosto e perda da magreza juvenil, ele é mais como um boémio de espírito livre disfarçado. Ao longo de uma hora de entrevista no Skype, em que os comentários são tediosamente transportados de um lado para o outro por meio de um intérprete, a sua energia e entusiasmo nunca são sinalizados, e suas respostas ficam mais expressivas e pensativas em cada pergunta.

É tudo parte do seu trabalho como um “ossan” alugado, a palavra japonesa para um homem de meia-idade. Ele permite-se ser contratado por qualquer pessoa, para qualquer propósito – não envolvendo contacto físico – desde que paguem o seu salário por hora: apenas 1.000 ienes (cerca de 8euros, 9 dólares, 34 reais). E ele ama isso!

Como em muitas cidades ao redor do mundo, a maioria das pessoas em Tóquio prefere o anonimato quando se trata de seus desejos, necessidades e vulnerabilidades. Os cidadãos urbanos podem estar desesperados para receber conselhos de uma pessoa mais velha e mais sábia, mas eles não querem falar com pessoas mais próximas. Os familiares e amigos podem julgá-los.

É muito melhor derramar as suas mágoas no ouvido de um estranho, ouvir um bom conselho e ir embora…
Foi através dessa lógica que Takanobu Nishimoto, 50 anos, fundou um serviço de aluguer online de “Ossan” em 2012. Alugar um estranho para aconselhamento e uma  reunião em, digamos, um café, significa que nunca terás que o encontrar novamente, ele disse:

“As histórias espalham-se se os clientes conversarem com alguém que conheçam.” 

É aqui que homens como Sasaki entram, dando ouvidos a estranhos enquanto renovam o seu próprio valor na sociedade. A inspiração de Nishimoto veio quando ele ouviu “miudas do liceu a fazer gozo de homens de meia idade”, particularmente pelas suas orelhas cabeludas, e chamando os homens de “fedorentos” e “sujos”.
Anteriormente, de uma forma admirada, a sociedade japonesa era dominada por homens, os “ossan” agora têm que lutar para manter uma reputação positiva na cultura em rápida mudança, onde os valores estão em fluxo.

“Eu pensei, eu preciso recuperar a honra dos” ossan”.”

Embora tenha começado devagar, o seu site tem cerca de 45 alugueis por dia atualmente, ou 10.000 encontros por ano, disse Nishimoto, que trabalha como consultor de moda e estilista quando não está monitorizando o seu site.
O site possui quase 80 “tios” de 36 cidades, incluindo a base de Nishimoto, em Tóquio, além de Kyoto, Osaka e Tokushima.

Nishimoto diz que ele mesmo conheceu ou foi alugado por aproximadamente 5.000 clientes desde a fundação do serviço. O pagamento simbólico é apenas isso: um gesto simbólico que ajuda os clientes e os tios a respeitar a transação.

“A existência do pagamento nos faz fazê-lo corretamente”

Os “ossan” mais populares são homens de aparência gentil que são bons ouvintes, divorciados e aqueles que passaram por um momento difícil.

“Eles podem ouvir, entender a dor do outro”, disse Nishimoto.

Aparentemente, muitos clientes estão com dor psicológica: cerca de 70% usam o serviço para consultas ou conversas, disse Nishimoto, enquanto os outros 30% solicitam ajuda “manual”, como carregar caixas.

 

E tu, alugarias um “ossan” para desabafar as tuas mágoas?
Deixa-nos a tua opinião 😉

Há Idiotas A Atirar Água a Ferver Em Si Mesmos No Novo Desafio "Água Quente"

Uma das primeiras lições que aprendemos quando crianças é evitar o perigo a todo custo. Afinal, quando nos machucamos, mesmo que seja apenas um arranhão, dificilmente nos deparamos com uma sensação agradável.

A dor dói por um motivo. É a maneira de o nosso corpo nos dizer que algo está errado e, embora a auto-mutilação seja algo em que muitas pessoas se tornam viciadas, tentar lidar com um trauma emocional profundo é muito diferente de se machucar deliberadamente em uma tentativa de se tornar viral na internet.

Mas em 2018, a fama viral, para algumas pessoas, é reverenciada acima da segurança pessoal, e se houver desafios online, inúmeras pessoas ao redor do mundo estão dispostas a arriscar tudo por visualizações e curtidas – mesmo que isso signifique uma morte lenta e dolorosa.
Caso em questão, o desafio Tide Pod: porque comer detergente é uma maneira infalível de acabar como um famoso da internet … e na sala de emergência.
Ou, se queres evitar a morte, mas ainda queres acumular aqueles gostos tão preciosos, então talvez o Desafio da Placa Elétrica seja mais a tua onda. É desnecessário dizer que as pessoas por trás desses desafios virais não são exatamente os mais brilhantes da caixa. Adorável!
Agora, há um novo exemplo online de seleção natural em ação: o Desafio da Água Quente.
Se fores estúpido o suficiente para participar do Desafio da Água Quente, precisarás começar a busca para obter queimaduras de terceiro grau fervendo um pouco de água. Mas o que torna esse desafio tão incrivelmente horrível (sim, por mais difícil que seja acreditar, na verdade é pior do que os desafios do Tide Pod e do Hot Coil) é o fato de as pessoas terem três opções sobre o que fazem com a água quente.
Em primeiro lugar, podem optar por jogar sobre si mesmos, ou, se tiverem preferência pelos órgãos internos, podem beber. Ou, como levou à hospitalização de numerosas pessoas, podem jogá-la sobre outras pessoas sem o consentimento delas.
Agora, a maioria de nós podemos dizer que, se fomos abordados por um estranho na rua e esfaqueados, provavelmente não ficaremos muito felizes com isso, e ter água a ferver sobre ti Não é diferente.
Para ver alguns idiotas de primeira classe a fazer o Desafio da Água Quente, confere o vídeo.
O desafio não tem nada de divertido, na melhor das hipóteses, só para observar as pessoas estúpidas a fazê-lo a si mesmas, os efeitos que tem sobre aqueles que estão sujeitos a isso sem o seu consentimento são devastadoras, e isso foi sintetizado pelo que aconteceu com este adolescente de Indianápolis.
Kyland Clark, de quinze anos, disse que a sua experiência começou com a atividade aparentemente inócua de assistir vídeos do YouTube com pessoas que ele achava serem seus amigos. Foi ao fazer isso que eles se depararam com o Desafio da Água Quente.
Então, depois de Kyland adormecer, o seu “amigo”, que não pode ser nomeado por razões legais, fez isso com ele “como uma piada”.
O garoto de 15 anos acordou em agonia, tendo sido sujeito a queimaduras de segundo grau e foi posteriormente hospitalizado por uma semana. Agora em casa, ele compartilha a sua história numa tentativa de desencorajar as pessoas de participar do desafio.
“Há um limite para o que deves fazer num desafio e o que não deverias. Não leves isso ao extremo”, disse Kyland à WLTW.
Aqui, Kyland relata a sua terrível provação:
Para te colocar no contexto do que Kyland sofreu , existem três camadas para a pele humana – a epiderme (parte superior), derme (meio) e hipoderme (parte inferior). As queimaduras de primeiro grau afetam a epiderme e as queimaduras de terceiro grau afetam a hipoderme.
Considerando que as queimaduras de segundo grau sofridas pela criança de 15 anos afetam a epiderme e a derme – esta última está repleta de terminações nervosas, vasos sanguíneos e glândulas sudoríparas.
Esse tipo de queimadura pode causar derme, o que aconteceu com Kyland. Ele disse que quando ele acordou com dor, a sua primeira reação foi arrancar a camisa e correr para o chuveiro para água fria. “Então eu olhei para o meu peito. A  minha pele caia do meu peito, e então eu olhei ao espelho e tinha a pele a cair no meu rosto”, disse Kyland à WLTW.
Por causa da gravidade desses ferimentos, Kyland está agora coberto de ligaduras e tem que aplicar regularmente pomada.
Se as queimaduras de segundo grau forem mantidas limpas o suficiente, elas podem cicatrizar em cerca de duas semanas.
Embora a maioria de nós possa atestar receber algum grau de gratificação por ter um post de média social popular, acho que todos podemos concordar que qualquer um que esteja disposto a arriscar a sua segurança – ou a de outra pessoa – pela fama viral não é nada mais que um estúpido, idiota.
Então, para não embaraçar a raça humana, por favor, não façam o Desafio da Água Quente.

Comenta o que achas sobre este artigo. Achas interessante?
Partilha com os teus amigos.

Professora de 64 Anos é Confundida por Jornalistas e Torna-se Modelo

Lyn Slater tem 64 anos e veste-se melhor que tu ou eu!
Nalgum momento da vida aprendemos que, com a idade, vem a sabedoria mas o envelhecimento não costuma fazer com que as pessoas se virem para olhar com admiração, enquanto se caminha pela rua. No entanto foi exatamente o que aconteceu com Lyn Slater!
Lyn é conhecida, atualmente, por “Ícone Acidental”, depois de ter sido confundida com um ícone da moda, pelos jornalistas, enquanto esperava por uma amiga para a semana da moda.
Foi descoberta por ser ela própria, a mulher mais velhas cujas roupas se encaixam e bajulam a sua atitude.

Numa entrevista com o Buzzfeed, Slater diz que, à medida que as mulheres envelhecem, elas tendem a se tornar invisíveis, mas ela nunca se sentiu tão visível em toda a sua vida como agora.

Tudo começou durante uma semana de moda em Nova York, quando Slater estava vestida “da cabeça aos pés” com Yohji Yamamato e uma rara bolsa Chanel a tiracolo. Ela estava de pé, esperando por uma amiga para se juntar a ela. As pessoas começaram a fotografar Slater, supondo que ela estivesse na indústria da moda. Sua amiga chegou, viu Slater cercada de pessoas e exclamou que ela era um ícone acidental.
Este foi o nome que escolheu para dar ao seu blog e ao seu Instagram, onde defenda a ideia de que “se te sentes confortável com o que vestes, a idade não importa”.
Uma publicação partilhada por Accidental Icon (@iconaccidental) a 10 de Jan, 2018 às 3:45 PST

Atualmente, ela tem contrato com a Elite London, empresa líder mundial no ramo de modelos, e já trabalhou com marcas como Mango e Uniqlo.

Gostaste desta história? Deixa-nos a tua opinião comentando abaixo.
Partilha com os teus amigos.
Ajuda-nos a crescer 💚💚💚

Uma Jovem Usou Um Tampão Durante 9 Dias E Quase Morreu

Uma estudante pensava que estava doente devido ao stress do exame e na verdade estava com a síndrome do choque tóxico depois de, acidentalmente, esquecer o seu tampão colocado durante nove dias.

Emily Pankhurst de 20 anos passou três dias nos cuidados intensivos, onde os médicos lhe disseram que esteve muito perto da morte. Agora, com grande esforço para aprender a andar de novo, e um cansaço extremo de todas as batalhas passadas, a estudante fala sobre a sua experiência numa tentativa de salvar outras jovens mulheres a não passar pelo mesmo trauma que ela experimentou.

Emily pensava que a fadiga e as dores de cabeça que sentia se deviam ao stress da altura dos exames da universidade.

Só quando se apercebeu de um corrimento anormal resolveu ir ao médico que a mandou para casa sem fazer um exame interno. Foi a sugestão da mãe que a levou a examinar-se e ver se não teria esquecido um tampão. O choque foi grande quando retirou um tampão totalmente preto, revestido de bactérias, esquecido havia 9 dias.
Só meia hora depois de retirar o tampão é que Emily começou a piorar, sentindo frio, confusa e com uma dor de cabeça forte, até que ficou incapaz de abrir os olhos. Foi levada para o hospital numa ambulância, a pressão continuou a baixar e ela foi considerada um estado de emergência, devido ao sindrome de choque tóxico.

A Síndrome do Choque Tóxico é uma infecção rara causada, normalmente, pelas bactérias Staphylococcus aureus e Streptococcus pyogenes.

Esses microrganismos são inofensivos quando vivem fora do corpo, na pele, nariz ou boca. Porém, quando invadem a corrente sanguínea podem liberar toxinas venenosas que causam danos nos tecidos além de perturbarem o funcionamento de órgãos vitais. Em alguns casos, as vítimas têm que ser amputadas, noutros, pode levar à morte.
“As meninas da minha idade não estão cientes dos perigos do uso de tampões. É tão importante ficar de olho na sua saúde, especialmente durante experiências estressantes da vida. Espero que a minha história possa ajudar outras como eu a cuidar da sua saúde e não pense na sua vida como garantida porque nunca sabes o que pode estar ao virar da esquina.”
O que pensas sobre este assunto? Alguma vez te aconteceu, a ti, de esqueceres um tampão?
Conta-nos a tua experiência e partilha esta história se achas interessante 😊